Mulheres, me desculpem

Desculpe-me quando eu falei da sua roupa. Porque eu falei. Eu julguei. Eu ri. Eu achei feia, brega, vulgar. Não devia ter falado, mas falei.

Desculpe-me quando eu falei do seu cabelo. Porque eu falei. Falei que estava sem corte, feio, mal-tratado, armado, sem volume, opaco, desbotado, mal-pintado.

Desculpe-me quando eu falei do seu namorado. Porque eu falei. Falei que ele era feio, gordo, chato.

Desculpe-me quando eu falei do seu corpo (da sua bunda, do seu peito, da sua barriga, da sua perna, do seu umbigo). Porque eu falei. Falei que você estava gorda demais, flácida demais, magra demais e forte demais.

Falei da sua pele, do seu nariz, da sua profissão, da sua família, da sua voz, do seu cachorro, da sua religião, do seu carro, da sua casa e até da sua comida (!). Falei da sua vida todinha, de cabo a rabo.

Mesmo sem intenção, eu julguei e falei tanto mal de vocês, mulheres. E, o pior: sem vocês saberem.

Eu senti inveja, eu desejei o pior, eu torci pra dar errado, eu vibrei quando foi tudo por água abaixo.

Desculpem-me, mulheres. Não foi engraçado, não foi apropriado, não foi necessário, não foi nem um pouco empático da minha parte.

Levei um tempo para descobrir que não somos inimigas, e que, em vez de maltratá-las com as minhas palavras, deveria apoiá-las, não somente com palavras, mas também com ações.

Levei um tempo para deixar de apontar os seus defeitos e começar a olhar as suas qualidades, as quais hão de existir sempre!

Levei um tempo para elogiá-las, exaltá-las.

Levei um tempo para crescer, amadurecer, me tornar uma pessoa melhor e, enfim, me arrepender!

Perdão

Se meu último fim de semana pudesse ser descrito numa só palavra, seria perdão. Coincidentemente, sábado e domingo foram pautados por essa palavra, de escrita e pronúncia simples, mas com significado tão profundo que me fez refletir: perdoar é um ato de amor aos próximos ou a si mesmo?

A palavra perdoar deriva do latim perdonare e significa capacidade de doar sem reservas.

Ou seja, traduz o desafio de decidir conscientemente que o outro não lhe deve mais nada e está livre para seguir o caminho.

Voltando ao fim de semana, no sábado, fui a uma palestra na Happy Science em Jundiaí que abordou a relação entre o perdão e a felicidade. A monja Maya Fukuzawa falou sobre a importância do perdão para nos livrarmos de sentimentos ruins como mágoa, rancor e ira.

A monja fez questão de enaltecer, de forma bastante didática: “Devemos exercer a empatia, entender a situação do outro que nos feriu e não de-se-jar-o-mal-ao-pró-xi-mo”.

Durante um bom tempo da palestra fiquei pensando se eu sou uma pessoa rancorosa, vitimada ou generosa, e se devo perdoar alguém.

Depois, comecei a refletir sobre o conceito de Justiça e frases tão comuns, como: “Eu desejo que se faça Justiça!”; “Eu desejo que ele pague pelo erro que cometeu”; “Eu desejo que ele cumpra a sua pena!”.

Como perdoar alguém que nos fez tanto mal? E, como não querer que ele pague por isso?

No domingo, assisti ao filme de Van Sant “A pé ele não vai longe”, que narra a história do polêmico cartunista John Callahan, famoso nos anos 1970 por charges sarcásticas.

Nele, Joaquin Phoenix está na pele do artista, que ficou tetraplégico em um desastre de carro após uma bebedeira. O personagem culpa várias pessoas pelo seu acidente: sua mãe que o abandonara na maternidade; o motorista bêbado que causara o acidente; e, a si mesmo, por ter bebido naquela noite e ter aceitado ir a uma festa com um total desconhecido.

No momento em que ele perdoa a mãe, o motorista e a si mesmo, os pesos da culpa, raiva e mágoa saem de seus ombros e lhe trazem, finalmente, serenidade, paz e um sorriso no rosto.

Leio a Carta da Roberta, na revista Sorria: “Perdoar é romper um ciclo de raiva e mágoas. Nesse difícil processo, todos saem ganhando, especialmente quem perdoa”.

“Absolver-se não significa se abster da responsabilidade, nem é uma carta branca para continuar fazendo besteira sem arrependimento. É só parar de se chicotear pelo que já está feito – até porque ficar se punindo não muda nem resolve nada, só leva a mais sofrimento e tensão. É um gesto de compaixão e empatia consigo mesmo. Vamos tentar entender: o que nos levou a essa situação? Por que reagimos assim?”.

“Perdoar-se é, sobretudo, se dar permissão para ir adiante, entendendo que os erros fazem parte do processo e deveriam servir para a gente aprender, não para nos paralisar”.

(Foto: Aaron Burden – Unsplash)

Kristin Neff, psicóloga e autora do livro Autocompaixão – Pare de se torturar e deixe a insegurança para trás, diz que não há quase ninguém a quem tratemos tão mal quanto a nós mesmos. Não se perdoar funciona como uma punição dada por quem julga sua conduta e se sente culpado por ela. Nós a usamos como um chicote que fica a postos, em caso de necessidade.

“É preciso parar com o autojulgamento e exercitar as autoavaliações. Parar com os rótulos de ‘bom’ ou ‘mau’ e simplesmente se aceitar de coração aberto. Devemos nos tratar com a mesma bondade, carinho e compaixão que dedicamos a um bom amigo ou mesmo a um estranho”, resume a escritora.

O perdão é muito poderoso. Existe uma diferença entre o perdão criminal e o perdão, que tem a ver com vingança. Se você não perdoa, seu coração fica bloqueado.

No lugar de focar a tragédia, celebre a vida.