Catadão da semana #5

Eis alguns pensamentos simples, curtos e aleatórios; dicas interessantes (ou não) que valem a pena ser compartilhadas (ou não):

A tristeza me desperta reflexões tanto quanto a felicidade. Ou até mais.

Deve ser porque a tristeza me ajuda na conexão com o outro. Ou até mais.

Deve ser porque, mesmo sendo a favor do sorriso largo, do bom humor e dos pequenos prazeres* que acalantam (afinal, é com insignificâncias que a vida é feita), carrego uma mini tristezinha dentro de mim desde sempre.

Tenho muitos bernes na minha alma (Rubem Alves).

E, finalmente, deve ser porque esse post da escritora Mirian mexeu comigo:

Eu a respondi desse jeitinho:

O que seriam dos poetas/escritores sem a tristeza? Estou aprendendo a abraçá-la, mas sem me apegar, tendo consciência do vazio e da dor que me traz.

Tenho certeza de que há coisas boas aí no seu dia também: um banho, um pão na chapa, um bolo com café, uma música que traz um quentinho para o seu coração, um talento/ hobby ** que te alegra.

Entregue-se a essas coisas…

E, sim, ela AMOU a minha resposta!!!

Pois é…

* Lembre-se das alegrias ao seu redor. Coisa simples e efêmera. Felicidades no plural. Porque ela não é uma e final. Sempre pequenas e passageiras.

** O talento é se permitir fazer algo que gosta, que te traga alegria pros dias nebulosos. E que, com um pouco de afinco, faz com que sejamos cada vez melhores – crochê, pintar, cozinhar, escutar os amigos…

Encontrar coisas para fazer apenas pelo fato de fazê-las, descobrir a prática pela prática, encontrar coisas nas quais é bom… Esse é o tipo de coisa que torna a vida boa.

A arte, por mais que a façamos mal, sempre estará aqui para nós quando precisarmos de significado para nossos dias (Austin Kleon).

Talentos e dons são características que ajudam a dar sentido para nossa existência.

Pão na chapa meramente ilustrativo (foto: Raimundo Pacco/Folhapress).

. Li e gostei:

Junto com o amadurecimento vem a paz do autoconhecimento.

A vantagem da solidão: sozinho, pode-se fazer o que bem quiser.

“A conversa mais importante é aquela que você tem consigo mesmo todos os dias”.

“O primeiro treino do seu atleta favorito foi tão ruim quanto o seu.

A primeira refeição do seu chef favorito foi tão ruim quanto a sua.

O primeiro trabalho do seu artista favorito foi tão ruim quanto o seu.

Continue”.

A perfeição não existe. É como a linha do horizonte. Você dá um passo à frente e ele também se move. É inacessível. 

Além disso, conforme você se move em direção à perfeição, aprende coisas novas e sua ideia anterior de perfeição se torna obsoleta. Mais aqui.

Mesmo quando a pandemia passar, se tivermos sorte, ainda estaremos aqui, tentando descobrir o que fazer com nossas vidas, tentando descobrir o que vem a seguir. Só teremos mais dias para preencher. O problema de como preenchê-los não vai embora. By Austin Kleon.

. Escutei e gostei:

Eu sou maior do que era antes. Estou melhor do que era ontem.

. Para finalizar:

Obrigada, obrigada, obrigada.

Obrigada, Deus.

Obrigada, Universo.

Obrigada, ETS (parodiando Karol Conká).

Obrigada aos que rezaram e aos que torceram.

E, obrigada a mim (parodiando Anitta).

sorriso (meio) largo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s